Blog

A classe C e a decoração

sala de jantar loja

Ela mudou. Agora busca a qualidade do produto e a segurança das marcas, deixando por terra a ideia que é um público motivado apenas por preço e promoções. Nesse quadro, as empresas buscam novas fórmulas para atender o consumidor emergente.

Pesquisa do Instituto Data popular mostra que, em 8 anos, a classe C aumentou em quase 6 vezes os gastos com decoração. Em outras palavras, são cerca de 18 bilhões de pessoas por ano para deixar a casa mais bonita. Depois do conforto garantido – com os financiamentos, a TV de plasma já está na sala e a geladeira com freezer na cozinha – a Classe C investe agora na decoração. Eles já são os principais consumidores de móveis e itens domésticos do país, segundo pesquisa do IBGE. Em 2002, Classe C tinha 29,32% das compras de móveis e itens domésticos.Em 2010 o percentual subiu para 42,70%. Em contrapartida o consumo A e B caiu 54,77% para 37,46%.

A ascensão da Classe C abre oportunidades de novos negócios, mas também aponta para a necessidade de produtos diferenciados e com tamanhos adequados. Mas, não se engane, eles não trocam qualidade por menor preço. Já foi-se o tempo em que, para atendê-los, bastava um produto barato. Com o crédito, o consumidor não se importa em pagar um pouco mais, se o produto durar mais e tiver um design diferenciado. Não é porque é direcionado para a classe C que o produto tem que ser econômico e feio.

Para uma empresa se destacar num mercado em que a concorrência é cada vez maior, é preciso inovar. Não só nestes itens citados, mas na organização como um todo em seu ponto de venda. Antes, as lojas que vendiam móveis direcionados para estes clientes não tinham preocupação com seu showroom. Muitas vezes se preocupavam em colocar o máximo de móveis possíveis, para dar bastante opção para o consumidor, sem se preocupar em deixar um visual em que o cliente pudesse se encantar com o que estivesse vendo.
O ponto de venda deve funcionar uma mesa posta para um jantar.O que primeiro nos chama a atenção e aguça nosso paladar é a beleza das peças expostas na mesa e a apresentação dos pratos. Depois é que vamos experimentar se realmente está bom. Assim também é com o showroom. O que o cliente compra primeiro é com o olhar. Logo pensa: “isto ficaria ótimo em minha casa”. Depois ele vai verificar, conforto, preço, etc.

Engana-se quem pensa que o visual importa somente à Classe A. Não há mais lugar na cabeça do consumidor entrar em lojas onde os móveis estão amontoados, quase sem lugar de circular e onde ele não consegue as vezes visualizar a beleza de uma ou outra peça. Ter um showroom com ambientes bem montados e decorados é o mínimo que eles esperam. Querem encontrar na loja aquilo que efetivamente desejam ver e ter em suas casas.

O acesso a informação transformou o consumidor em um cliente exigente e antenado com as novidades, que busca em um produto com conforto, beleza e durabilidade. Ele é mais criterioso e valoriza seu dinheiro. Quer comprar em uma loja como as que as classes mais abastadas compram. Lojas em que o produto é a atração principal. Quer qualidade, atendimento diferenciado, sem perder de vista bons preços e condições de pagamento.

Aí está o que poderá ser o grande diferencial para este lojista. Ter um ponto de venda, bem montado, valorizando suas peças, criando ambiente onde seu cliente se sinta privilegiado em optar por sua loja. E não se esqueça de oferecer aquele cafezinho.

3 Comentários

  • Prezada Heliane.

    Uma árvore sadia e de boa qualidade sempre gera bons frutos.Li, atentamente, sua matéria sâbre a classe C,grande transformadora da nossa economia.Fosse eu o autor, estaria muito orgulhoso e feliz.Numa abordagem atual, você espelhou, com rara sabedoria,o grande momento que atravessamos,principalmente quanto a necescidade de criarmos para o segmento de decoração peças de qualidade, diferenciadas e de bom gosto para suprir carência de todas as classes, em especial a C.O que depender de mim e da Entidade que presido, é certo o nosso apoio.Sucesso.Laudemiro Gomes de Sá.

    Publicado por Laudemiro Gomes de Sá 25 de agosto de 2012 - 13:15 Responder
    • Obrigado Gomes! Adorei seu comentário!

      Publicado por Heliane 5 de setembro de 2012 - 16:16 Responder
  • Matéria que muito deveria interessar não só a lojistas mas também a decoradores e arquitetos visto que nosso cliente em breve será da classe emergente. Acredito que temos que nos preparar para este novo mercado e se não for pedir muito seria bom termos uma cartilha sua para este fim, dada a sua experiência no mercado, principalmente em lidar com o público de gostos variados.

    Publicado por daniela noce silva 15 de outubro de 2012 - 11:41 Responder

Deixar comentário